#VIU32 – RUÍNAS DO SÉCULO XVIII EM PIRENÓPOLIS

Em Pirenópolis, uma extensa faixa de ruínas de pedras e calçamentos assentados remontam a cidade do século XVIII, vestígios do trabalho realizado por muitos escravos, que afloram ao longo do Rio das Almas, num trajeto de 800 metros repleto de árvores e vegetação exótica, animais, trilhas e as belas ruínas.

Por TATIANE DI PASSOS

O pesquisador, publicitário e guia de turismo Mauro Cruz relata que toda a história da formação de Pirenópolis, com suas igrejas e casarões, foi construída em função das atividades econômicas advindas, originalmente, dos garimpos das minas de “Nossa Senhora do Rosário Meia Ponte”, como a cidade era chamada naquela época. “Os escravos foram trazidos para esta região, fizeram o trabalho todo, e justamente esse ouro retirado do garimpo foi o que manteve a base econômica da Pirenópolis no século XVIII. O ouro do Rio das Almas está diretamente ligado ao nascimento e à manutenção da cidade histórica”.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (6)

HISTÓRIA DO OURO

A formação de Pirenópolis teve início com a chegada dos portugueses em busca de ouro em Goiás. “A história cultural pirenopolina vem dessa época, quando os bandeirantes descobriram o ouro no chamado ‘sertão dos índios goyazes’, famoso pelos terrenos difíceis de atravessar e índios bravos. Na busca de riquezas, entraram em guerras com os indígenas, até que viram ouro em suas vestes e os obrigaram a contar onde estava o minério”, relata Mauro. Tempos depois, a região passou a ser governada pela capitania de São Paulo, conforme relatos do geólogo pesquisador Jamilo Thomé, que conta em seus estudos que em razão de o ouro estar misturado às rochas o acesso ao veio era difícil.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (7)

“Para Jamilo, a erosão do morro, pela ação do tempo, desgastava a pedra, e a enxurrada levava o material para o fundo do vale. Como o ouro é um metal pesado, a tendência era ficar no fundo dos poços e nas curvas de rio”, ressalta Mauro, explicando que esse terreno era chamado de “aluvião”, formado por cascalho grosso e sedimentos que ficavam no fundo dos vales. “O ouro de aluvião era bastante superficial e abundante, e o processo de lavar era realizado com muita água. Assim, se não houvesse água, não teria ouro”, conta.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (8)

AS RUÍNAS

As ruínas de Pirenópolis representam o século XVIII, e podem ser acessadas a partir do Museu de Lavras de Ouro e do Refúgio de Avalon. Por manter elementos desse período, a cidade, com a igreja e casarões coloniais, foi tombada como patrimônio histórico, e toda a história cultural tem a ver com essa época: as ruas, os muros de pedras, os calçamentos antigos, feitos com o pé de moleque, e tudo que a compõe. “Acredito que seja necessário fazer decretos que protejam melhor as ruínas como patrimônio histórico e cultural”, observa Cruz.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (13)

MUSEU LAVRAS DE OURO

Uma trilha com mais de 500 metros, repleta de belos e imensos jatobás, sucupiras, angicos, rica fauna e as incríveis ruínas esverdeadas, oferece um passeio inesquecível ao século XVIII. Depois da mineração, a floresta que surgiu na região foi preservada pelo proprietário do local, Hamilton. É contemplada pelo belo Rio das Almas, com poços de 3 a 4 metros, um tranquilo refúgio para banhos. O Museu Lavras de Ouro tem peças utilizadas pelo garimpo da época; é um refúgio ambiental, que mantém a importância da conservação das árvores e principalmente das ruínas. “Toda a extensão da trilha tem a pedra seixo rolado, famosa em paisagismo de jardins e cascatas. Este passeio é uma expedição às ruínas do garimpo de ouro do século XVIII”, ressalva Hamilton.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (12)

REFÚGIO AVALON

É um espaço onde há ruínas e que tem como frente o turismo cultural, com guias que contam as histórias e buscam sensibilizar o turista sobre a importância de manter vivos estes vestígios. O caseiro Divino Lima, há 14 anos no Avalon, conduz grupos aos passeios com aula da história das ruínas. “O Avalon está bem preservado; as ruínas, com canais, muros e cascalheiras. Sua beleza está ligada à história geológica que remonta ao primeiro século da colonização portuguesa”, ressalta Divino.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (10)

POTENCIAL DA REGIÃO DOS PIRENEUS

De acordo com o geólogo Tadeu Veiga, que trabalha com exploração mineral e pesquisas ligadas à conservação ambiental na região de Pirenópolis, a produção de ouro, iniciada no século 18, foi o que motivou a colonização portuguesa e espanhola.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (5)

Com grande experiência, Tadeu trabalhou em pesquisas de bens minerais diversos e planos de manejo de unidades de conservação do Cerrado, tanto na busca pela existência de ouro, quanto na tentativa de organizar a lavra de quartzito. Também atuou nos atrativos turísticos, nas áreas protegidas com reservas particulares de patrimônio cultural, como a RPPN do Vagafogo, pioneira na região.

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (4)

O geólogo ressalta a importância de manter vivas as marcas das lavras dos primórdios da ocupação. “Precisamos reconhecer que as mesmas pessoas envolvidas nessas lavras foram as que edificaram a cidade, as igrejas, e trouxeram os costumes para Pirenópolis, a exemplo da Festa do Divino, que completa 200 anos. Se essas construções e esses costumes estão preservados e enchem os olhos dos moradores e dos turistas, então é justo que também preservemos o que lhes deu origem. A mineração foi o motivo da colonização do território, e esse tipo de atrativo geológico, histórico e turístico está acontecendo no mundo inteiro”, observa Tadeu, defensor do tombamento das ruínas.

 

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (9)

 

revista viu destino ruínas do seculo 18 em pirenopolis (3)

#revistaviu? #viu? #inverno2018 #destino #ruinas #seculo18 #pirenopolis

Comentários

Sobre o Autor /


Fernanda Pultrini é publicitária especialista em responsabilidade social e marketing digital. Agência digital focada em design thinking e UX (User Experience). Desenvolvimento de sites, branding, logomarca, links patrocinados, SEO, webmetricas, analytics

Assine nossa Newsletter

Receba informações sobre a #RevistaVIU e fique por dentro das principais novidades.
Fundada em 2010 pela Alquimia Editora e Comunicação, A REVISTA VIU? atuante nos segmentos de moda, beleza, saúde, gastronomia, arquitetura, qualidade de vida, entrevista, roteiros, turismo, negócios e tecnologia vem se despontando como um grande canal de comunicação entre o público A, B e C+ atua no Planalto Central, Brasília, Pirenópolis, Anápolis, Posse, Formosa, Chapada dos Veadeiros, Alto Paraiso, Vila de São Jorge, Teresina de Goiás, Cavalcante e Goiânia.

Av. Valeriano de Castro, n° 119, Sala 01 - Galeria Santo Estevão

(61) 99676 3908

revistaviu@gmail.com